Chef de Cozinha Francês morre aos 91 anos de idade, Paul Bocuse

Morre o Chef  do século, Paul Bocuse, a personificação da cozinha francesa morre aos 91 anos, deixando um legado rico de sabores e histórias de uma pessoa simples que conquistou o mundo com sua gastronomia sem igual.

 

CHEF PAUL BOCUSE, (11 de fev de 1926 – 20 de jan de 2018).

Chef de Cozinha Francês morre aos 91 anos de idade, na mesma cidade onde nascera, “Collonges-au-Mont-d’Or” na França em seu restaurante “L’Auberge du Pont de Collonges”, ele já vinha lutando contra o mal de parkinson há alguns anos, dono das 3 estrelas Michellin passa a brilhar no céu dos chefs de cozinha deixando para trás uma vasta e importante obra de sua vida como Chef, considerado como o Papa da Gastronomia, a encarnação da cozinha Francesa, Paul viverá para sempre através dos Chefs que não deixarão de prestigiá-lo através de sua arte culinária.

Paul Bocuse pertence a uma classe de cozinheiros que existe desde o século XVII, ele percorreu o mundo e adquiriu sua filosofia em manter o respeito pelas origens e a renovação delas mesmas. Passou por um grande trajeto, já como aprendiz em Lyon, no restaurante de Claude Maret em 1942 já realizava as compras, obtendo as mais frescas e variadas matérias-primas.

Lutou na guerra em 1944, sua divisão acabou sendo metralhada na Alsácia e ele passou a se recuperar em um hospital nos Estados Unidos, retornou para sua região na França em 1945, e continuou desenvolvendo seu aprendizado como chef de cozinha. No Mère Brazier no Luere, cuidava do jardim, ordenhava vacas, lavava e cozinhava. O dono era um ex-aluno de Fernand Point, um grande e importante chef francês.

Trabalhou junto com Fernand Point e Paul Marcier no restaurante “La Pyramide”, um restaurante que trazia um ambiente altamente luxuoso e muito singular. Pois Fernand acreditava muito na experiência como um todo, e proporcionava o que havia de melhor em tudo, um de seus lemas era: “Não sou difícil de agradar, estou satisfeito com o melhor”. Assim Bocuse estava no melhor lugar para se preparar para seu sucesso.

Quando se mudou para Paris, Bocuse foi trabalhar no famoso Lucas Carton, um restaurante de muito prestígio na famosa “Place de la Madelaine”, trabalhando com o Chef Gaston Richard onde fez amizade com os irmãos Troigros (Jean e Pierre).

Bocuse obteve sua primeira estrela Michelin em 1961, através do um concurso de Chefs que possui tradição desde 1924, o Meiller Ouvrier de France. Já no seu restaurante L’Auberge du Pont de Collonges em 1965 obteve a segunda e terceira estrela, conquistando assim a sua consagração. Contribuiu para formação de outros grandes chefs como: Alain Chapel, René Lasserre, Pierre Laporte, Gaston Lenôtre, Roger Verger, Charles Barrier, Lous Outhier, Raymond Oliver, Paul Haeberlien e Michel Guerard.

Bocuse depois recebera o prêmio da Legião de Honra em 1975, no Palácio do Élysée, das mãos do Presidente, Valéry Giscard d’Estaing; Nesta ocasião ele criou a famosa sopa de trufas “Soupe aux truffes VGE”. Em 1979 desenvolveu uma linha de mercearia com produtos e ferramentas para cozinha, adquiriu uma vinha e Beaujolais, passou a também expandir suas atividades nos Estados Unidos e Japão, levando seus produtos e ferramentas para as feiras, participou de programas de televisão, escreveu livros.

Bocuse passa a ser o primeiro chef em que sua arte gastronômica se torna global, conhecido por levar ela aos 4 cantos do mundo. Em 1987, ele criou a primeira competição global de culinária, o Bocuse d’Ors (bocuse de ouro), Na mesma época recebeu o título de oficial da Legião de Honra das mãos do prefeito de Paris, Jacques Chirac, e o presidente François Mitterrand visitou seu restaurante em Collonges, sendo um episódio jamais visto na França.

Em 1989 foi eleito como Cuisinier du siècle (Chef do século) por Gault e Millau, no ano seguinte foi lhe confiada a Presidência da escola das artes culinárias Écully e Associação Euro-Toques. Em 1992 compoem a Presidência dos Meilleurs Ouvriers de França, também a Cuisine-Restauration e inaugurou a galeria dos Chefs em 1993, pinturas que compoem as paredes de seu resturante em Collonges que trás uma variedade de retratos dos personagens que trabalharam para o desenvolvimento da evolução na cozinha.

Trabalhou na abertura de três braseries importantes em Lyon(Norte, Sul e Leste), detalhes que todos os restaurantes de Bocuse, assim como o seu próprio, os pratos preparados são sempre da estação para garantir o máximo de frescor. A estrutura do cardápio também são semelhantes, alguns pratos em comum, e também as especialidades de cada um. O menu também inclui uma vasta coleção de bebidas e vinhos.

As especialidades de cada uma das Braseries foram destinadas a serem eternas; No Norte destaca-se o Tartare e os pratos de Canailles. No Sul, combina sabores do Mediterrâneo da Itália com Espanha, através de Provença e do Magrebe, Na cozinha Leste tem como especialidades os soufflés quentes e o prato do dia “cuisine travel”. Paul Bocuse também possui restaurantes nos Estados Unidos, Japão e Austrália.

Fonte:

https://thebiography.us/en/bocuse-paul

http://escoffier.com/the-great-chefs/fernand-point

https://www.modernpaul.com/paul-bocuse

COMENTÁRIOS


DEIXE O SEU COMENTÁRIO


Deixe uma resposta